top of page
Buscar
  • Foto do escritorRedação G7

Infraero realiza sondagem e topografia no Aeroporto do Guarujá


Foto: Reprodução/Infraero


A implantação do Aeroporto do Guarujá está em andamento pela Infraero, empresa aeroportuária responsável pela gestão e operacionalização do local por 12 meses. Em recente postagem em sua página nas redes sociais, foi divulgado o início dos serviços de topografia e sondagem na área.


"Os serviços devem durar entre 15 a 30 dias, dependendo das condições meteorológicas. Os trabalhos são fundamentais para a elaboração dos projetos de Engenharia para o aeroporto. A equipe iniciou os serviços no pátio de estacionamento de aeronaves e na pista de pouso", revelou. A postagem é datada de 29 de setembro.


A Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Portuário de Guarujá (Sedep) explicou que todo processo está sendo conduzido pela Infraero e acompanhado pela prefeitura, que em comum têm um contrato, firmado em maio, que concede à empresa aeroportuária a gestão e operacionalização do local por 12 meses.


Ainda, a Sedep detalhou que a sondagem possibilita o levantamento de necessidades de obras de infraestrutura na pista de pouso, pátio de estacionamento e demais áreas para que o Aeródromo receba os primeiros voos. "São consideradas essenciais intervenções no pavimento e o cercamento da área. Isso porque é comum a presença de animais ao redor da pista. Isolá-los do espaço de pousos e decolagens é fundamental para segurança deles e de todos os envolvidos no tráfego aéreo".

Outros trabalhos já haviam sido realizados pela Infraero anteriormente, como a execução do serviço de roçada na lateral da pista principal, de taxiamento e no pátio de aeronaves. Também foi instalada uma nova biruta e concluída a manutenção do farol rotativo, que está em pleno funcionamento.

Segundo a Sedep, em conjunto, também está sendo providenciado o registro do aeródromo junto à Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). A prefeitura recebeu sinal verde para elaboração do Relatório de Risco Ambiental (RRA) por parte da Companhia de Meio Ambiente do Estado de São Paulo (Cetesb). A partir desse documento será possível garantir o licenciamento ambiental da área, essencial para que as operações sejam iniciadas no local.


FONTE/costanorte

2 visualizações0 comentário

Commentaires


bottom of page